quinta-feira, setembro 01, 2011

As principais CARACTERÍSTICAS dos primeiros BATISTAS: Eram eles Calvinistas?



Por Wilson Porte Jr.

Dentre as principais características dos Batistas Calvinistas no século dezessete, está o fato deles não serem revolucionários quanto à política e à religião. Eles eram “ordeiros, pacificadores, zelosos e devotados como qualquer outra classe de Cristãos”.

Antiga Igreja Batista Particular em Winslow
pastoreada por Benjamin Keach até 1668,
quando fundou a Igreja Batista Particular em
Horselydown (Southwark), futuramente
pastoreada por John Gill
e Charles H. Spurgeon
Embora tenham herdado alguns princípios dos menonitas e anabatistas do continente, não herdaram seus excessos e excentricidades. 

Os Batistas Calvinistas, diferentemente dos Batistas Gerais, ou Batistas Arminianos, ou ainda, Batistas do Livre-Arbítrio, eram reformados em sua doutrina e independentes quanto ao governo da Igreja. Eles criam que apenas os regenerados poderiam ser batizados e, isso, por imersão, sob uma voluntária profissão de sua fé.
Púlpito em Winslow, onde
Benjamin Keach pregava.
Os Batistas Calvinistas criam na salvação de todas as crianças que faleciam antes da “idade da responsabilidade”.

Eles não criam no poder salvífico ou regenerador do batismo, mas que este era apenas um sinal externo de uma graça já recebida, uma pública profissão de fé em Cristo, e uma entrada aos privilégios e responsabilidades (membresia) da igreja local.

Interior da Igreja de Benjamin Keach
restaurado nos moldes do século XVII
Outra marcante característica dos Batistas Calvinistas no século dezessete, foi sua oposição ao estabelecimento de uma igreja nacional. Além disto, se opuseram, também, quanto à união entre Igreja e Estado. Algo muito prezado por estes batistas era o voluntariado. Além disso, sua defesa da doutrina da liberdade religiosa como um direito de todos os homens constantemente fez parte de seus catecismos e confissões.
Outra característica marcante dos Batistas Calvinistas, era sua posição quanto à Teologia do Pacto. Tendo sido grandemente influenciados por teólogos reformados do século dezesseis e início do século dezessete, os teólogos batistas compreendiam o Pacto da Graça como o centro unificador de toda teologia bíblica. Para os mesmos, é através de alianças que Deus entra em relacionamentos com a raça humana. 

TEÓLOGOS RESPONSÁVEIS POR TAIS CARACTERÍSTICAS

Alguns que contribuíram marcantemente para a formação dos principais pontos teológicos que caracterizam fortemente os teólogos batistas do século dezessete foram John Bunyan, Nehemiah Coxe, Hanserd Knollys, William Kiffin, Benjamin Keach e John Gill. Vejamos um pouco de cada um deles.

Rev. John Bunyan
John Bunyan (1628-1688) foi, segundo Beeke, um poderoso pregador, além de ser o mais conhecido de todos os puritanos. Bunyan foi um dos autores mais influentes do século dezessete. Foi ativo como pregador leigo no exército do Parlamento bem como durante o período da “Federação”. Por causa disso, ficou preso por doze anos, recusando constantemente sua própria liberdade condicional dizendo que, caso fosse solto, voltaria a pregar no mesmo dia, o que lhe era proibido naquele tempo. É durante sua prisão que escreve seu mais famoso livro, O Peregrino. Bunyan  foi nomeado pastor de um congregação batista particular em Bedford em 21 de janeiro de 1672. Contudo, não pode assumir seu posto até que fosse libertado em maio do mesmo ano. Bunyan não foi admirado apenas nos círculos evangélicos, mas, até mesmo dentro do movimento romântico no século dezenove, Bunyan era tido como um gênio literário.

Nehemiah Coxe (?-1688) foi filho de um antigo líder dentre os Batistas Calvinistas, Benjamin Coxe. Não sabemos quase nada sobre sua data de nascimento e sobre sua infância. Um dos primeiros registros a seu respeito acontece em 1669, quando Coxe é aceito à membresia de uma igreja batista em Bedford, pastoreada por Bunyan. Em 1673, Coxe foi chamado para servir como pastor em Hitchin, uma congregação da igreja de Bedford. Coxe também era conhecido como um médico qualificado, hábil em latim, grego e hebraico, além de “um teólogo exigente”. Coxe era tido em alto respeito por seus contemporâneos, vindo, posteriormente, a servir como um editor da Segunda Confissão de Fé Batista de Londres. Ele morreu em 1688, antes da Assembléia Geral de 1689, quando os batistas utilizariam sua edição da Confissão de Fé para formalizarem a Confissão de Fé Batista de 1689.

Rev. Hanserd Knollys
Hanserd Knollys (c. 1599-1691) foi pastor de uma das maiores congregações Batistas Calvinistas na Inglaterra. Cerca de mil pessoas se reuniam para ouvi-lo entre as décadas de 1640 e 1650. Antes deste tempo, por volta de 1635, Knollys deixou a Igreja da Inglaterra e foi para a América. No entanto, por volta de 1641, Knollys teve problemas com os Congregacionais na Nova Inglaterra, o que o fez voltar para a Inglaterra. Dentro de três anos após o seu retorno, Knollys se identifica com o credobatismo e com a incipiente causa Batista Calvinista, centrada na cidade de Londres. Segundo Haykin, a identificação de Knollys com os Batistas Calvinistas o conduziu, inicialmente, a uma controversa viagem de pregações em Suffolk, durante a qual, em uma ocasião, uma ‘rude multidão’, o privou de pregar atirando pedras nele, enquanto ele estava no púlpito.

Os escritos de Knollys acerca do papel central de Cristo na vida dos cristãos, especialmente, seu sermão Cristo Exaltado, publicado por volta de 1644, além de outras publicações de Knollys defendendo alguns princípios batistas, ajudaram fortemente a caracterizar os batistas da metade do século dezessete na Inglaterra. Haykin destaca que o exemplo de Knollys em argumentar contra a visão dos Seekers, deve ser uma inspiração para os Batistas modernos que têm de dar uma resposta às experiências e clamores do pentecostalismo atual.

Rev. William Kiffin
William Kiffin (1616-1701) desempenhou um papel importantíssimo no crescimento da causa Batista Calvinista.
 Nas décadas de 1640 e 1650, quando a Confissão de Fé Batista de Londres foi reimpressa inúmeras vezes, Kiffin esforçou-se por sua divulgação, planejou o estabelecimento de novas igrejas e associações, aconselhando-as e, de forma geral, “provendo estabilidade à causa incipiente”. Segundo Haykin, Kiffin e muitos de seus companheiros Batistas Calvinistas foram fortes ajudadores do governo de Cromwell. Kiffin chegou a senta-se como um membro do Parlamento de Middlesex em 1656. Após o período chamado de “A Restauração”, Kiffin foi preso inúmeras vezes nos dois ou três anos após o retorno da monarquia com Charles II.

Rev. Benjamin Keach
Benjamin Keach (1640-1704) foi um batista particular de persuasão puritana. No início de seu ministério, Keach foi um pregador não ordenado de uma igreja Batista Geral em Winslow, Buckinghamshire, Inglaterra. Foi entre os anos de 1664 e 1668 que as convicções teológicas de Keach começaram a tornar-se crescentemente calvinistas. Em 1672, Keach rompe com os batistas gerais e funda uma igreja batista particular em Horselydown, Southwark, futuramente pastoreada por John Gill e Charles Spurgeon. Keach é considerado pelos principais historiadores batistas como o principal teólogo batista calvinista do século dezessete.

Rev. John Gill
Já no apagar das luzes do século dezessete, começo do século dezoito, nasce um herdeiro das principais características teológicas dos Batistas Calvinistas do século dezessete, John Gill (1697-1771). Gill desponta no século dezoito sendo grandemente influenciado pelos escritos aliancistas de seus predecessores Batistas Calvinistas. Em 1719, Gill foi ordenado pastor da igreja fundada por Benjamin Keach, em Horselydown. Escrevendo sobre a Teologia das Alianças sob a inspiração dos batistas do século dezessete, Gill tornou-se a mais brilhante mente entre os batistas do século dezoito, indo muito além que seus predecessores, através de seus livros.

Estes homens foram os principais responsáveis pela teologia que caracterizou os primeiros Batistas Calvinistas. Suas obras são um tesouro ainda a ser descoberto dentro da tradição reformada. 

Algumas obras para consulta:

BEEKE, Joel; PEDERSON, Randall. Paixão pela pureza: conheça os puritanos. São Paulo: PES, 2010.


COXE, Nehemiah; OWEN, John. Covenant Theology: from Adam to Christ. Palmdale: RBAP, 2005.

DALLIMORE, Arnold. Spurgeon, a new biography. Carlisle: The Banner of Truth Trust, 1984.

HAYKIN, Michael. Kiffin, Knollys and Keach: rediscovering our english baptist heritage. Leeds: Reformation Today Trust, 1996.

HAYKIN, Michael. One heart and one soul: John Sutcliff of Olney, his Friends and his times. Durham: Evangelical Press, 1994.

0 comentários:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Premium Wordpress Themes